Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007

Cantoria solitária e virtual

I
Eu fiz uma descoberta,
Oxalá mais alguém note:
A Cantoria me desperta
A razão para este mote.
II
Já pensei com meus botões
De falar com um cantador
E na penumbra dos salões
Saber se canto com valor.
III
Encenava uma cantiga
À espera da resposta;
Do desafio sou amiga
Acho que mais gente gosta.
IV
De pedir eu tenho custo,
'Inda vão dizer que não,
E p'ra passar algum susto
Mais vale calar-me então.
V
Mas a ver portas p'ra dentro
Na escrita repentista,
Sempre que eu me concentro
Sai rima a perder de vista.
VI
Nem que seja na garagem
Sem grandes espectadores,
Tentava ganhar coragem
De rimar pelos Açores.
VII
A moda já ensaiei
Mas dá-me p'ra ir com pressa,
Se for como imaginei
Dá para pensar na peça.
VIII
Um verso dito com calma,
Dá tempo para o seguinte,
Se falhar, falha a palma,
Daquele que é ouvinte.
IX
Quem me dera a resposta
À pergunta que eu fiz,
Apesar de não vir exposta
Podem crer que foi feliz.
X
Foi à Matilde, minha mãe,
Que era fã de tais cantigas,
Penso que estará bem,
Inspirou-me estas amigas.
XI
Há-de haver algum sinal,
Vindo de algum lugar,
Nem que seja um postal
Que de alguém há-de chegar.
XII
Mas se a vida for escassa,
E ficar só no desejo,
A quem por'qui os olhos passa
Deixo uma flor e um beijo.

Rosa Silva ("Azoriana")

índice temático:
publicado por Azoriana às 13:02
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De J.Fernando a 23 de Novembro de 2007 às 14:42
na Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007 às 12:27:

SE PRECISARES UM CANTADOR
PARA UM DIA TE DAR A MÃO
EU ESTOU AO TEU DISPÔR
EM QUALQUER OCASIÃO

JOSE FERNANDO
De Azoriana a 23 de Novembro de 2007 às 14:43
De onde vem nobre oferta
Eu não sei dizer ao certo
A cantoria só desperta
Se o cantador for de perto.

Agradeço sua simpatia
Com rima a condizer
Venha daí a cantoria
Nem que seja a escrever.

Comentar post

nota de abertura

Neste espaço residem pequenos fragmentos da alma serretense.
Um residente classificou-a como sendo fresca no clima e quente na hospitalidade. É, sem dúvida, uma freguesia fresca, pequena mas com uma grande alma.

É um "Cantinho do Céu", como a autora lhe chamou num dos seus artigos, já publicados no blog original "Azoriana / Açoriana".
Sob o pseudónimo de Cidália Miravento e na capa de "Azoriana", Rosa Silva vai reunindo coisas suas e de outros no intuito de divulgar a freguesia que lhe deu berço - SERRETA.

Bem-vindo à Serreta, a freguesia de Nossa Senhora dos Milagres, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha Terceira - Açores.
in DI Domingo. Foto de António Araújo

índice temático

a biografia

blogs

da azoriana

in palavras açorianas

jornais e revistas

listas

livro

logo_150_anos

ofertas

outras páginas pessoais

outros autores

página pessoal

serreta

serreta na intimidade

todas as tags

Usuários online usuários online

imagem do cabeçalho editada por DJDiniz

Livro de visitas
Guestbook

selo

Azoriana/Açoriana (II)
Azoriana/Açoriana (II)
@ 2006 - Código

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

ir para / go to:

Recordando os primórdios ...

Um artigo digno de se ler...

Tradicional tolerância de...

No Diário dos Açores o es...

Memórias de uma Festa - S...

Arquiteto Rodrigo Gonçalv...

A propósito do vídeo de I...

A ponta da Fajã (da Serre...

Maria, ó Mãe dos crentes

Programa das Festas Nossa...

últ. comentários

Muito obrigada Maria João. Bjs
Vejo que continuas a cantar a tua terra, como ning...
Passei por aqui e fiquei gostoso deste blog notici...
Lindo poema! A Última quadra, é de uma beleza e se...
E hoje tive o prazer de cumprimentar o neto do fad...
blogs SAPO

subscrever feeds