Terça-feira, 8 de Março de 2011

In Grupos do Google: “Sextante 2”

LANÇAMENTO NA SERRETA Rosa Silva solta a rima no seu primeiro livro

 

Publicado na Terça-Feira, dia 08 de Março de 2011, em Atualidade

 

Num mundo de rimas e cadência musical, a poetisa popular Rosa Silva aposta na construção da história da Serreta, da ilha Terceira e dos Açores, não obstante de encontrar-se dedicatórias pessoais sobretudo à sua própria mãe.

 

Tudo começou com a publicação de versos num blog designado por “Azoriana”, que, aos poucos, foram também tomando a forma de “cantigas ao desafio” e, por último, de livro ‘poético-biográfico’ – “Serreta na Intimidade”, o título propõe contar todos os segredos.

 

A rima está para Rosa Silva como Nossa Senhora dos Milagres está para a Serreta. E, no fundo, acaba por ser difícil desassociar a poetisa popular dessa freguesia do concelho de Angra do Heroísmo, ou não fosse o berço da “fazedora de versos”.

 

Decorridos sete anos da criação do seu blog “Azoriana”, presentemente no ativo, e dos primeiros trabalhos expostos ao olho gigante do mundo virtual, surge a compilação dos versos em livro acompanhados por trechos biográficos que contextualizam as suas palavras criativas. Intitulado “Serreta na Intimidade”, da chancela Turiscon Editora, a primeira obra de Rosa Silva vai aparecer em breve nos escaparates comum objetivo muito próprio.

 

“Fazer homenagem à minha mãe e concretizar o compromisso que eu tinha com ela: divulgar a sua Serreta”, revela a autora à conversa com o nosso jornal, classificando por isso o seu trabalho de “missão” assumida a partir do momento em que a senhora sua mãe, Dona Matilde, verificou existir pouca informação disponível sobre a freguesia.

 

“Na altura, a freguesia estava intimamente ligada ao fenómeno do Vulcão. Mais do que isso e do que a Festa religiosa de Setembro não se conhecia. Então fui à Biblioteca fazer pesquisa e encontrei um livro de carácter histórico. A partir daí comecei a escrever umas quadras mas, sinceramente, não sei como me surgiram”, contextualiza.

 

Depois de publicadas, sem a sua assinatura, recorda, as reações foram imediatas e provenientes dos quatro cantos do mundo. Brasil, Canadá e Estados Unidos da América, entretanto, são os países onde a comunidade emigrante mantém uma ligação permanente por vários motivos como gosto, amizade, informação e saudade.

 

“Não assinava porque sentia-me pouco à vontade a dar-me a conhecer. Mas os seguidores do blog encorajaram-me a fazê-lo. E acabei por criar laços de amizade entre várias pessoas. A comunidade local agora é que vai conhecendo mais um pouco do meu trabalho”, refere a criadora do espaço virtual “Azoriana” acrescentando que, mais tarde, seguiram-lhe outras aventuras no campo da escrita. É autora de letras das canções “Olé, Bravo Taurino”, de Vítor Santos, e “Açores, 9 Aguarelas”, de José Pimentel, bem como escreveu as cantigas de Saudação e Despedida do Bailinho de Carnaval da Terceira Idade dos Biscoitos 2011.

 

“Foi a minha estreia. Por isso esse bailinho vai estar na apresentação do meu livro”, adianta. [Nota: O bailinho não esteve presente por motivos de força maior. Estiveram presentes cantadores de improviso e tocadores da ilha Terceira]

 

Para além de cumprida a promessa original, Rosa Silva espera ter contribuído para a consolidação de um legado, sendo que, salienta, a riqueza cultural, histórica e social agora materializada em livro começa também a ter os seus frutos dentro da sua própria casa.

 

“Tenho três filhos jovens. O mais novo, de 14 anos de idade, aprecia o meu trabalho. E todos já começaram a participar em danças e bailinhos de Carnaval. É bom sinal”, considera a poeta popular.

 

Escrever e cantar

 

Rosa Silva conta que, no tempo da escola primária, não tinha facilidade em escrever poemas e prosa e, certo dia, chegou a casa a chorar tal a sua frustração ao sentir-se incapaz de traçar umas linhas como havia mandado a professora.

 

“Os meus pais é que escreveram a quadra para eu levar no dia seguinte para a escola. Senti-me como se me tivessem salvado a vida”, recorda a poeta popular.

 

Passadas décadas, continua, só deseja concretizar a publicação dos 750 exemplares seu livro “Serreta na Intimidade”, com o apoio de Liduíno Borba da Turiscon Editora, confessando o temor da morte prematura. “Essa possibilidade entristece-me. Fazer algo e não o ver aterroriza-me. Tenho muita vontade em saber a reação das pessoas”, diz.

 

Entretanto, o medo não parece ter tomado conta da autora quando avançou com a ideia de participar ativamente nas “cantigas ao desafio”, em 2008, soltas em público ao lado de cantadores e outros improvisadores simpatizantes que costumam reunir-se de quando em vez nos bares locais.

 

“Pensei, se na escrita a coisa vai bem, pode ser que a cantiga também tenha algum sucesso. Gostei muito e já fui a várias freguesias da ilha”, relembra.

 

Relembra ainda as palavras das cantigas dos cantadores Charrua e Trulu, expressas em livro da autoria de Mário Pereira da Costa, os quais são para Rosa Silva a referência máxima do género.

 

“Li o livro e até chorei. Adorei a obra e fiquei também com uma grande vontade de cantar”, conclui.

 

Lançamento
a 2 de Abril

 

A cerimónia de lançamento do livro “Serreta na Intimidade”, de Rosa Silva, está marcada para o dia 2 de Abril, pelas 19h00, na sede da Sociedade Filarmónica Serretense, e contará com as palavras de Luís Bretão na apresentação da obra.

 

Estará presente o grupo musical Tinotas, a Sociedade Filarmónica Serretense e, ainda, o Bailinho de Carnaval da Terceira Idade dos Biscoitos. [Esteve presente a Filarmónica Recreio Serretense, cantadores de improviso e tocadores. Os outros grupos não se apresentaram no lançamento do livro por impossibilidade.]

 

Assinam o prefácio e o posfácio do livro, respetivamente, Luís Fagundes Duarte e Victor Rui Dores.

 

(UN) Sónia Bettencourt

índice temático:
publicado por Azoriana às 08:39
link do post | comentar | favorito
|

nota de abertura

Neste espaço residem pequenos fragmentos da alma serretense.
Um residente classificou-a como sendo fresca no clima e quente na hospitalidade. É, sem dúvida, uma freguesia fresca, pequena mas com uma grande alma.

É um "Cantinho do Céu", como a autora lhe chamou num dos seus artigos, já publicados no blog original "Azoriana / Açoriana".
Sob o pseudónimo de Cidália Miravento e na capa de "Azoriana", Rosa Silva vai reunindo coisas suas e de outros no intuito de divulgar a freguesia que lhe deu berço - SERRETA.

Bem-vindo à Serreta, a freguesia de Nossa Senhora dos Milagres, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha Terceira - Açores.
in DI Domingo. Foto de António Araújo

índice temático

a biografia

blogs

da azoriana

in palavras açorianas

jornais e revistas

listas

livro

logo_150_anos

ofertas

outras páginas pessoais

outros autores

página pessoal

serreta

serreta na intimidade

todas as tags

Usuários online usuários online

imagem do cabeçalho editada por DJDiniz

Livro de visitas
Guestbook

selo

Azoriana/Açoriana (II)
Azoriana/Açoriana (II)
@ 2006 - Código

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

ir para / go to:

Recordando os primórdios ...

Um artigo digno de se ler...

Tradicional tolerância de...

No Diário dos Açores o es...

Memórias de uma Festa - S...

Arquiteto Rodrigo Gonçalv...

A propósito do vídeo de I...

A ponta da Fajã (da Serre...

Maria, ó Mãe dos crentes

Programa das Festas Nossa...

últ. comentários

Muito obrigada Maria João. Bjs
Vejo que continuas a cantar a tua terra, como ning...
Passei por aqui e fiquei gostoso deste blog notici...
Lindo poema! A Última quadra, é de uma beleza e se...
E hoje tive o prazer de cumprimentar o neto do fad...
blogs SAPO

subscrever feeds