Sábado, 1 de Novembro de 2014

Por uma senhora que mereceu a estima dos serretenses

D. Isaura Rodrigues

Versos e Cânticos
de
ISAURA DAS MERCÊS GONÇALVES



MOCIDADE


Mocidade não te rias,
Das rugas que o velho tem;
Se viveres mais uns dias
Irás ter rugas também.


Mocidade tira a prova
Com algarismos certinhos
Verás que de gente nova (bis)
É que se formam os velhinhos.


Não negues o teu carinho
A quem o deves fazer,
Se chegares a velhinho
Carinho precisas ter.


Jovem se és caridoso
Estende a tua mão
O que se faz ao idoso (bis)
Não cai migalha no chão.


O destino marca o povo
Tudo que tem de passar
Para quem não more novo
A velho tem de chegar.


Aproveitem a gozar
A vida que vai passando
Quando a velhice chegar (bis)
É gemendo e chorando.

SERRETA

Coro:

Nossa querida Serreta
É muito hospitaleira
É das principais freguesias da Terceira
É alegre e sorridente
Tem carinhos sem par
Para com toda a gente que nos venha visitar.


A freguesia é pequenina
E é muito pobrezinha
É humilde e pacata
É de todas diferente
Mas cativa toda a gente
Com o fresco da sua mata.


A Serreta não se envaidece
Porque ela bem conhece
Suas humildes campinas
Tem vales e altos montes,
Mas brota das suas fontes
Puras águas cristalinas.


A freguesia é educada
E é muito visitada
É tudo que se deseja
Que das muitas romarias
Que das outras freguesias
Ocorrem à nossa igreja.


Nossa padroeira adorada
Dos Milagres é chamada
Das graças medianeiras
Nela a beleza se encerra
Que do alto duma serra
Abençoa a ilha inteira.



VERSOS

Perdoai-me se vos ofendo com isto
Ó virgem dos santos rainha
Ajudastes a levar a cruz de Cristo
Ajudai-me a levar também a minha.

A minha não é tanto pesada
Disso tenho a certeza
Às vezes sinto-me cansada
Porque é fraca a natureza.

A Deus não quero ofender
No mundo estou tanto bem
Mas preferia morrer
Do que ser carga pesada para alguém.

Coitado de quem está a penar
As dores nunca são iguais
Às vezes quem está a tratar
Ainda pena muito mais.

Ó Deus sem princípio nem fim
Ó Deus de toda a vitória
Quando não puder cuidar de mim,
Levai-me para o reino da glória.

Ó Deus que não tendes véu
Que lá do céu me estás a ouvir
Levai a minha alma pró céu
Quando deste mundo sair.

O que eu desejo é preciso,
Mas vou vivendo sempre à sorte,
É que Deus me dê juízo
Até á hora da morte.



A VIDA

A juventude é a Primavera da vida.
As árvores começam a rebentar,
Crescem, crescem
E florescem.
Até os passarinhos,
Nos seus ninhos,
Estão à espera de cantar e de voar,
Porque a Primavera é época das flores
E dos amores.

Depois vem o Verão.
Que lindos dias, festas, arraiais e romarias.
Como no Verão, a vida é linda!
Parece que não finda.
Mas de repente
O sol ardente
Com os seus raios fulminantes
A surgir no espaço.
Começa-mos a sentir cansaço.
Que ilusão! E tudo diz:
Vamos gozar, porque ainda é Verão.

Mas ele acabou
E o Outono chegou com seus dias sombrios, tristes e frios.
É o fim da vida,
Há tanta folha seca e caída,
Como eu, que tudo para mim acabou.
Só me restam as folhas secas e caídas
Que já quase o vento levou...

 

CÂNTICO #1

CORO


Nosso convívio
Da terceira idade
É da Serreta
Por felicidade
Temos vaidade
E presunção
Pra nossa idade
É uma distração.


Nas leis do Omnipotente,
Nós todos somos iguais;
O convívio tem pouca gente
Mas poderia ter mais.


Vamos numa volta certa
Até ponto de parar,
Mas temos a porta aberta
Para quem quiser entrar.


Os que não vieram outrora,
Eu lhes peço por favor
Podem vir a qualquer hora
É a vinha do Senhor.


Vamos levando em festa
Nas nossas linhas finais
Na hora nona ou na sexta
Os salários são iguais.



CÂNTICO #2

Refrão


Idosas somos
Vamos todas a folgar
Porque enquanto novas fomos,
Foi só pra trabalhar.
Foi a canseira
Que nos pôs assim velhinhas
Antes estar na brincadeira
Do que em casa sozinhas.


Da Serreta os idosos
De mil e uma maneira
Ficamos todos vaidosos
Por entrar na brincadeira.


Nós idosos vamos gemendo,
Vendo a vida passar
E os novos vão crescendo
Pra vir pró nosso lugar.


Tudo que digo é verdade
Remando o barco ao porto
Tudo que é feito de vontade
Não se deita em saco roto


Obrigado voluntárias,
De dentro do coração,
E porque ainda são várias
Com a gente tem atenção.



CÂNTICO #3

CORO


Ó Terceira, ó Terceira
Ó Terceira dos amores
És para mim a primeira
Das 9 Ilhas dos Açores.


Nós somos da Serreta,
E temos muita alegria
Chegámos à quinta-feira
E com muita harmonia.


Levámos a semana inteira
Gemendo com dores intensas
Mas quando chega a quinta-feira
Desaparecem as doenças.


Somos velhos temos provas
Nesta vida de incertezas
Mas também já fomos novas
Tivemos nossas belezas.


Sempre entre a mocidade
Passou-se o que se passa
Não com tanta liberdade
Mas tinha a mesma graça.



CÂNTICO #4

REFRÃO


Idosas somos
Estamos todas a folgar
Porque enquanto novas fomos,
Só soubemos trabalhar
Foi a canseira
Que nos pôs assim velhinhas
Antes estar na brincadeira
Do que em casa sozinhas.


A nossa terceira idade
Num convívio faz bem
Mais uma realidade
Que a nossa terceira tem.


Aqui ninguém está só
Tudo é bom nada é ruim
Nos tempos da minha avó
Não se convivia assim.


Felizes assim vivemos,
Cantando em desmedida
É o melhor que fazemos
Nos restos da nossa vida.


Pois é com muito carinho
Alegria igualmente
Que as novas fazem chazinho
E põem-nos à nossa frente.


Em conjunto as velhinhas
É uma linda união
Vão jogando às cartinhas
Ou fazendo uma oração.


Acabou-se a mocidade
O tempo foi-se a voar
Agora a terceira idade
Só dá pulinho ao ar.


A quem fala e na acerta
E quase que desatina
Estava tudo careca
Se a inveja fosse tinha.



FIM



Isaura das Mercês Gonçalves

Freguesia da Serreta - ilha Terceira - Açores

índice temático:
publicado por Azoriana às 08:11
link do post | comentar | favorito
|

nota de abertura

Neste espaço residem pequenos fragmentos da alma serretense.
Um residente classificou-a como sendo fresca no clima e quente na hospitalidade. É, sem dúvida, uma freguesia fresca, pequena mas com uma grande alma.

É um "Cantinho do Céu", como a autora lhe chamou num dos seus artigos, já publicados no blog original "Azoriana / Açoriana".
Sob o pseudónimo de Cidália Miravento e na capa de "Azoriana", Rosa Silva vai reunindo coisas suas e de outros no intuito de divulgar a freguesia que lhe deu berço - SERRETA.

Bem-vindo à Serreta, a freguesia de Nossa Senhora dos Milagres, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha Terceira - Açores.
in DI Domingo. Foto de António Araújo

índice temático

a biografia

blogs

da azoriana

in palavras açorianas

jornais e revistas

listas

livro

logo_150_anos

ofertas

outras páginas pessoais

outros autores

página pessoal

serreta

serreta na intimidade

todas as tags

Usuários online usuários online

imagem do cabeçalho editada por DJDiniz

Livro de visitas
Guestbook

selo

Azoriana/Açoriana (II)
Azoriana/Açoriana (II)
@ 2006 - Código

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

ir para / go to:

Recordando os primórdios ...

Um artigo digno de se ler...

Tradicional tolerância de...

No Diário dos Açores o es...

Memórias de uma Festa - S...

Arquiteto Rodrigo Gonçalv...

A propósito do vídeo de I...

A ponta da Fajã (da Serre...

Maria, ó Mãe dos crentes

Programa das Festas Nossa...

últ. comentários

Muito obrigada Maria João. Bjs
Vejo que continuas a cantar a tua terra, como ning...
Passei por aqui e fiquei gostoso deste blog notici...
Lindo poema! A Última quadra, é de uma beleza e se...
E hoje tive o prazer de cumprimentar o neto do fad...
blogs SAPO

subscrever feeds